quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

pedido de Natal.

Queridos Amigos,
Gosto tanto de vocês. Pelo carinho, momentos de diversão e tudo, e tudo e tudo. Mas, por favor, peço-vos encarecidamente: Neste Natal - e, possivelmente, nos anos que se seguirem - evitem enviar-me e-mails e mensagens natalícias, aquelas coisas pouco personalizadas que caracterizam o Natal dos tempos modernos. Eu não quero saber dos anjinhos, ou da piada que tem uma rena a voar, ou das estrelinhas da Paz e do Amor, ou de quanto é bonita uma amizade, ou do Pai Natal que vai ficar entalado na chaminé.. Não quero mesmo saber. Ah, e mensagens e e-mails onde esteja incluída a expressão "Ho ho ho"... evitem, se faz favor.
Portanto, vamos lá não dar mais dinheiro às operadoras de telemóvel, deixar as redes telefónicas livres para coisas realmente importantes, não enviando mensagens estúpidas a pessoas das quais nós até gostamos e queremos bem.
Um grande beijinho e tenham uma boa noite de Natal.

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Da próxima vez que estiver doente...

"I'm not sick, I'm just overflowing with awesome and when I sneeze that's just my awesome trying to escape."
Barney Stinson

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Reflexão de Profissão

Já ouvi histórias sobre lares, abutres, raptos fictícios, violência, rendas por pagar, professores em polvorosa, indignações com palavrões, acorrentados, embustes, burlas, miséria.
Miséria, tanta miséria.

E eu, este embrião de jornalista, já faço selecções secas, desespero por me estarem a gritar ao ouvido, enfado-me por não me contarem nada de espectacular.
Eu, este embrião de jornalista, torno-me quase insensível. Ou objectiva. É como quiserem.
E acho que isso não é nada fixe. Porque são tudo pessoas que não sabem para onde se hão-de virar e acreditam piamente que aquela caixinha mágica as há-de salvar. E isto é só mais um negócio.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Apaixonei-me.


Expresso intenso, cappuccino, latte machiatto e, imagine-se, cacau quente!
Confesso, estou apaixonada pela minha Dolce Gusto.

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

:D

video

"Trocai as vossas predilecções, mas não troqueis nunca os vossos amigos"
Voltaire

Girafa



"You'd better treat this lady like a queen"
Afinal não é assim tão difícil!

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Humilde


Trabalhar tem-me tornado uma pessoa muito mais simpática na minha relação com a internet e todas as suas potencialidades. Senão vejamos.
Antigamente, eu era uma pessoa profundamente pedante e superficial nesta minha crença de que a internet só poderia servir propósitos intelectuais ou construtivos da personalidade da minha pessoa.
Hoje posso dizer que estou livre.
Agora, agradeço a todos os meus amigos e conhecidos que me mandam vídeos engraçados, anedotas e fotografias (menos de pessoas nuas) para os meus emails! Obrigada a vocês que dão alegria aos meus momentos de tédio, por todos aqueles minutos em que me limito a embriagar o meu cérebro com pedaços de mundo sem interesse em especial.

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Carente

Peço encarecidamente a todos os meus amigos/conhecidos detentores de blogs que têm paciência para escrevinhar umas coisinhas que o façam mais frequentemente. É que isto de ficar a trabalhar até as 20h30 à espera de meia dúzia de coisas que a Lusa tenha a dizer é um tédio alarmante e faz-me absolutamente carente de companhia virtual.
Os meus muitos obrigados :)

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

A citação do Macho.

Estamos a ver o Toca A Gravar, novo programa de vídeos - a maior parte deles todos dos anos 80 e 90, com pessoas feias, penteados horrendos e roupas ainda piores - apresentado pelo Pedro Miguel Ramos e a morenaça Carolina Patrocínio.

E sai-se o meu amigo M. com a melhor citação masculina da semana:
"Esta gaja é mesmo simpática ... Simpática no sentido de boa pa comer."


Desculpem, tinha que torná-la pública.

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Terá fome?


Ao ligar o Limewire, para sacar umas músicas, deparei-me com uma janelinha que me falava de uma nova versão do dito programa. Até aqui tudo normal, se uma das opções não fosse: "Actualizar mais tarte".

domingo, 9 de novembro de 2008

A Minha Geração É Feia

Talvez eu não lhe tenha dispensado a atenção devida. Ou então talvez eu seja um grande calhau com olhos. Mas... Há mais alguém que, como eu, ache que este novo programa da Catarina Furtado é a merdinha mais sem graça de sempre? É que talvez tivesse tudo para ser interessante, mas não é. Nada mesmo. É... extremamente entediante.

Saramago



Desculpem, mas fico sempre comovida quando vejo velhinhos a chorar. Mesmo que esses velhinhos sejam discriminadores de vírgulas, pontos finais e afins.

Agora a sério, quero ver este filme (e ler o livro, já agora).

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

My name is...



NOTÍCIA DE ÚLTIMA HORA


SOU UMA TERRA.

Fico ali na A25, como quem vai para Viseu. Se quiserem ser mais precisos, fico na latitude 40.6833333 e na longitude -8.1000000.
Introduzam nos vossos gps's, por favor, porque vou-me candidatar a Presidente da Junta de Freguesia.


JOANA MARTINS: UMA FREGUESIA COM PERSONALIDADE JURÍDICA!

terça-feira, 28 de outubro de 2008

O meu prazer matinal.

Um cappuccino de 30 cêntimos que sai de uma máquina e vem num copinho de plástico qualifica-se realmente como um cappuccino?
É que é bom, de qualquer maneira.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Sticky and Sweet Tour @ Lisbon

Pois é, a Rainha da Pop, já a contar com 50 anos de vida e 25 de carreira, resolveu, mais uma vez, inserir o nosso país no mapa da sua poderosa tour.

E, desta vez, achei que deveria mandar a nota e ir vê-la ao vivo. Porque, digam o que disserem, está mais que comprovado que a senhora dá espectáculo! E deu mesmo. Quem me dera chegar aos 50 anos com aquele corpinho de 25 e dançar daquela maneira.
Mas, Madonna à parte, a verdadeira loucura passava-se entre o público. Público este constituído por pessoas de todas as idades. Esta loucura reinava especialmente no público mais velho, assim já na faixa etária dos 40 para cima, menos assíduos neste tipo de espectáculos (pelo menos há uns bons pares de anos). Uns dançavam loucamente, outros arranjavam confusão por causa dos lugares, discutiam com quem se mexia um milímetro para o lado, gritavam, cantavam nos nossos ouvidos, enfim.. Lá tive que entrar em conflito com uma senhora que tinha idade para ser minha mãe e que não me deixava passar para ir ter com o resto do meu pequeno grupo (éramos 4.). Vocês são todas doidas!, dizia eu. E ela, com os seus 80 kilos, a travar-me a passagem. E pelo que já tenho ouvido, não fui a única a ter problemas com o pessoal mais velho e stressadinho.
Consegui ver a Madonna no palco, mesmo que um bocado distante. Cantei as mais velhinhas e as mais actuais. No entanto, não achei que o espaço da Bela Vista fosse o melhor para montar um espectáculo destes e acredito que muitas pessoas, depois de pagarem 60 euros por um bilhete, não tenham conseguido sequer ver um fio de cabelo da mulher. Aí o espectáculo perdeu pontos.
No final, quando a Senhora Dona Madonna encerrou a actuação com a recente Give It To Me, as quase 75 mil pessoas começaram a dirigir-se para o Metro. Tive que dar um empurrão a um espanhol estúpido que achava que podia passar à frente de toda a gente na fila do metro. Ele deu-me outro, porque pelos vistos se achava mesmo nesse direito.
Ah!, E por falar em espanhóis, porque raio é que a Madonna, em pleno centro de Lisboa, capital de Portugal, se lembra de perguntar: "Hablán español?". Errado, Maddie, errado.
Demorámos uma hora e tal para chegar a Telheiras, as minhas pernas doíam e a cabeça pesava de sono.
Mas a Madonna até é fixe, não me queixo mais.

domingo, 7 de setembro de 2008

Regresso.

Pois é, pois é. Mais uma vez, tenho que fazer tudo sozinha, visto que a minha companheira J. (apesar de pouco assídua a escrever) anda aí pela Europa de malas às costas até Outubro (saudadinhas, estúpida!).
Estou com vontade de voltar a este blog, agora que as minhas férias estão prestes a acabar, sendo o ponto final daqui a uma semana, quando começar o meu estágio ali para os lados de Sintra (a 70km de minha casa, imagine-se o gasto de gasolina que vai ser todos os dias!). Com esta nova fase da minha vida a aproximar-se, espero ter sempre alguma coisinha para escrever, por muito estúpida que seja (e será, como é óbvio).
Começou também agora em Setembro o período de partidas em massa de muitos dos meus amigos para o estrangeiro: uns para Itália, outros Alemanha, Grécia, por aí fora.. Boa sorte para vocês, divirtam-se! E isso faz-me pensar que já foi há quase um ano que eu estava a fazer as malas (super-malas!) para Madrid. Passa bem depressa (Momento nostálgio. Ok. 1, 2, 3. Acabou.).
E pronto, era só para dizer que estou de volta!

terça-feira, 2 de setembro de 2008

WE'RE NOT DEAD!
(também temos direito a férias, não?)

terça-feira, 29 de julho de 2008

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Só a mim.

Dores de garganta e febre não combinam nada com o Verão.

sexta-feira, 11 de julho de 2008

1ºdia - OPTIMUS ALIVE!08.

Depois do primeiro dia do OPTIMUS ALIVE!08, o que se segue? Valentes dores nos braços, pernas, rouquidão e um zumbido constante nos ouvidos. Mas também um granda sorriso, visto que, mais uma vez, não gastei dinheiro à toa.
Das 18h às 4h, foi tão tão tão bom! Peaches, The Hives ('tou apaixonada pelo baterista!), Gogol Bordello, Boys Noize, Tiga, Vampire Weekend e até mesmo um bocadinho que vi dos Rage Against The Machine (admito que são bons, mesmo que não sejam muito o meu estilo), valeram imenso a pena os 45 euros. Infelizmente, não tinha assim 80 euritos à mão para dar pelos três dias de festival, porque teria dado mesmo!

Mau mau é quando as chaves do carro de alguém se partem no meio do moche e temos que ir todos de táxi para casa.

Dizem as más línguas..


que a Eva Longoria anda a comer Magnum a mais.
(www.thesuperficial.com)

domingo, 6 de julho de 2008

Digam lá.

Quão grave é passar uma tarde de Domingo a ver o Porquinho Babe?

sexta-feira, 27 de junho de 2008

A pior palavra do mundo.

Não consigo conviver muito tempo com pessoas que gostam de dizer muitas vezes que as coisas, pessoas, situações ou momentos são "fofas/os" (ou "fofinhas/os", que é ainda melhor).
Exemplos (isto acontece!): "Foi uma tarde fofinha.", "Tenho aqui um cd fofinho.", "Vocês até são fofinhas.", "A tua mensagem 'tá fofa.", entre outros.
Desculpem, mas dá-me vontade de cortar as minhas próprias mãos e mergulhar os cotos em alcool para esquecer a dor. Não consigo conviver com "fofices".

Face it.

Está na altura de me começar a mentalizar que 90% dos homens de hoje em dia hão de jogar Pro Evolution Soccer até ao dia em que morrerem.

segunda-feira, 23 de junho de 2008

You gotta love jello.

Querem ficar alcoolicamente alegres sem passar pela fase dos litros de xixi para fazer? (Marta e Inês colam-se atenta e repentinamente ao computador)
A resposta é: Gelatina de vodka.

A J., no último fim de semana em Sesimbra, provou, voltou a provar, provou outra vez, deu mais uma provadela, provou, provou e provou.. Os resultados estiveram à vista de quem lá estava. Entre os quais:

J. - "Interessante. Esta garrafa diz uma coisa que não diz nada" (era russo, J.)

J. - "Ainda há meia garrafa."
C. - "Há mais de meia."
J. - "Mais de meia é collants."

domingo, 8 de junho de 2008

Sex & The City

Gostei muito.
As roupas maravilhosas e os diálogos inteligentes/divertidos mantiveram bem vivo o espírito da série, por isso acho que foi um óptimo ponto final (por favor, não pensem em fazer sequelas!). E viva a Samantha que é a melhor personagem de sempre!

terça-feira, 3 de junho de 2008

A mensagem do dia.

Desejo que uma equipa de rugby (inteirinha!) viole o rabo de todos os riscadores-com-chaves de carros do mundo
(com especial entusiasmo no do cabrão que riscou o meu).
Obrigada.

domingo, 1 de junho de 2008

don't you wanna ride, baby?

Joss Stone. Vinte e poucos anos. Simpática. Comunicativa. Linda de morrer. Uma voz fantástica. Boas músicas. Grande presença em palco. Vi o espectáculo na Sic Mulher. Só não a fui ver porque o resto do cartaz não me agradava mesmo nada. Mas o concerto dela teria, sem dúvida, valido a pena. Façam as vossas comparações com a senhora em baixo.

sexta-feira, 30 de maio de 2008

oficialmente, o pior concerto do ano.

Não fui ao Rock In Rio para ver a Amy e não me arrependi. Vi tudo na televisão, foi quase uma hora de verdadeira incredulidade, e tive pena das cerca de cento e vinte mil pessoas que ali estavam em pé para a ver.
Depois de demorar algum tempo (45 minutos!) a aparecer em palco, a Amy surge de olhos vidrados, a beber qualquer coisa de uma garrafa, cheia de tiques (pára de puxar a porcaria da saia para cima!), com um pulso em mau estado que a impedia de tocar guitarra, um chupão gigante no pescoço e uma voz sem qualquer tipo de condição para um espectáculo como o Rock In Rio. Fiquei triste do princípio ao fim. A rapariga não se lembrava das letras, muito menos o seguimento das canções, tendo que contar com a ajuda de membros da banda. Coisas estranhas aconteceram. Pareceu-me vê-la cuspir qualquer coisa. Depois começou a chorar, o que me deu vontade de mudar de canal imediatamente, tal foi a pena que inundou o meu espírito. Falou do marido, para não variar (é um drogadão, who cares?). Depois caiu, perdeu um sapato e saiu-se com qualquer coisa do género: Aposto que quando o Lenny Kravitz vier ao palco também vai cair e, ao contrário de mim, vai ficar envergonhado. Não estou envergonhada por ter caído. Também não seria por isso que ficaria envergonhada, depois deste espectáculo em que nada parece ter sido preparado (parece não, não foi mesmo).
Seria pior se tivesse feito playback ao estilo Britney Spears? Seria, claro. Mas mesmo assim, apesar de ter estado presente, seria melhor poupar-nos a este concerto em forma de caos e regressar em melhores dias. Porque no fundo, ela ganha o dinheiro na mesma, quer cante bem ou não.
I told ya I was trouble, you know that I'm no good, diz ela. Pois não, Amy, não tás mesmo nada good e ainda bem que não paguei 53 euros para ir ao Rock In Rio só para te ver. I should've canceled, acrescentou. Sim, era um favor que nos fazias a todos. Por favor go go go to rehab e volta curadinha para eu te poder ver actuar como deve ser um dia destes!
E que o Lenny Kravitz consiga salvar a noite!

quinta-feira, 29 de maio de 2008

Try honesty.

O conceito de honestidade preocupa-me.

Qual é, de facto, o limite onde nos despegamos da honestidade e começamos só a ser inflexíveis?
E já que ser honesto implica sempre que o mensageiro é que leva com o tiro, ainda que o trabalho de ir a cavalo até ao alto da montanha seja todo dele, por que é que é melhor ser honesto a ser hipócrita?
  1. Ser hipócrita não cansa e é divertido. Mas provoca um certo ódio de estimação.
  2. Ser honesto faz-nos ficar de bem connosco mas entramos em argumentações e transparência de espírito. E isso torna-nos vulneráveis.
Who wins?

a pergunta do momento.

Cadê o Verão?

sábado, 24 de maio de 2008

Boazíssima da Ucrânia na Eurovisão.



O SEXO É QUE VENDE.
Esta senhora tornou a minha tarde menos deprimente :)

Festival da Eurovisão.

Portugal é perspicaz. Gostamos de dar nas vistas! Estar na cauda de tudo o que é bom na Europa é bom para nós. Até a má publicidade é boa publicidade e eu, sinceramente, também prefiro que falem de mim do que nem saibam quem é que eu sou.

Isto não é aplicável, contudo, ao Festival da Eurovisão.

Há dois anos era "Magia", o ano passado levámos a Sabrina - 'formada musicalmente' pelo Emanuel - e este ano, numa clara demonstração de inteligência, achámos que já chegava disso de parecermos felizes e mandámos a Medusa.

Eu vi as canções que podiam ter ido. Eu assisti ao espectáculo na RTP e gastei 0,60€ + IVA para que os piores do mundo não ganhassem. E estou perfeitamente convencida de que houve marosca, porque o meu dinheiro desaparecia do saldo, mas a senhora gravada respondia-me que já não dava para votar.

"Sim, esta é suficientemente má, Sr. Presidente da República. Sim... acho que temos grandes potencialidades... Sim, para perder. Sim... Não! Deus nos livre se é bonita! É uma bola de queijo Terra Nostra, sim... A canção?! Má como sempre, Sr. PR... Sim, não se apoquente. Está tudo tratado. (...) Ah sim, e enviámos também o namorado dela, que também atira para o gordinho, e uma amiga que tem um ar hippie. Todos vestidos de branco, em contraste com ela que vai de preto, que é para parecer bastante deprimente. Claro.Sempre atentos, Sr. PR. Não será este ano que nos levam nessa brincadeira de ganhar!"

E lá foi a Medusa para Belgrado. Boa sorte e cuidado que isso aí é maior do que a Madeira!

PS- E para o ano podemos ser os anfitriões deste defunto festival. Que sorte.

mood killer #1.

Estava aqui a pensar: A maneira como uma pessoa dança é um bocado importante, não é? Eu pelo menos acho que quando conhecemos um rapaz que até é engraçado e interessante, um dos pontos-chave é quando vamos, por exemplo, sair à noite pela primeira vez. E o vemos a dançar. Os homens em geral não são os reis neste aspecto, mas muitos conseguem disfarçar dando um certo estilo à sua falta de jeito ou então procurando não dar nas vistas, outros sabem soltar-se, outros são gays e, claro, há aqueles que dançam como se estivessem a asfixiar numa câmara de gás. Estes últimos normalmente conseguem ser os mood killers por excelência. Porque, por muito que tentemos, depois de olharmos uma vês, a imagem não sairá mais das nossas cabeças. E pensamos: "Nããão, não quero olhar, era tão boa pessoa.", mas se já olhámos uma vez, a imagem do desajeitado a esbracejar fora do ritmo da música fica para sempre. E estraga tudo, tudo.

segunda-feira, 19 de maio de 2008

E o mistério de hoje é..

O que acontecerá quando se atinge o limite de Profile Comments (ou Photo Comments, ou Fives, whatever) do Hi5?
a) Recebemos um prémio (uma viagem, por exemplo)?
b) O nosso hi5 suicida-se?
c) A barra de contagem muda para podermos receber mais?
d) Um bonequinho ridículo vai aparecer no nosso ecrã a dançar uma dança da vitória?
e) Temos direito a uma pizza grátis?
f) Deixamos de poder receber mais comments?
g) Ganhamos bilhetes para um concerto?
h) Ganhamos a taça dos mais sociais do mundo?
i) Ganhamos a taça dos mais chatos do mundo?
j) Somos expulsos do hi5?
k) Ficamos sem amigos?
l) O Mundo acaba?

Tenho medo de saber.

domingo, 18 de maio de 2008

aceitam-se apostas sobre a esperança de vida da Amy.

O depois, o antes. Isto não é perseguição. Eu adoro a voz da Amy Winehouse, gosto de grande parte das músicas, enfim.. A Amy Winehouse artista é bastante boa. Mas a Amy Winehouse alcoólica-drogada-com-problemas-psicológicos-e-alimentares deita tudo a perder. Quando vejo imagens como estas, ponho logo em questão uma possível compra de um bilhete para o Rock In Rio (que não é barato, sejamos sinceros) só para poder vê-la actuar. É que, sinceramente, a mulher parece que vai morrer anytime soon.

what tha..?

"deixa-me cá coçar a perseguida como quem não quer a coisa.."

Durar ou não durar até ao Rock In Rio, eis a questão. Good luck, Amy.

sábado, 17 de maio de 2008

Tom Felton.



Parece que o Draco Malfoy de "Harry Potter" agora quer ser cantor. Ainda não é nada muito oficial, mas o rapazinho já postou alguns vídeos caseiros no Youtube. Não é nada de especial, mas até se safa.

terça-feira, 13 de maio de 2008

agravante.

E pipis peludos alheios com fio do tampão a espreitar alegremente? (eu vi, aconteceu, é verdade!)
Senhoras do ginásio, se vos dão toalhinhas é favor que se tapem com elas e não andem por aí a exibir despreocupadamente os vossos OB's em modo afro, tá bom?

segunda-feira, 12 de maio de 2008

Muita coca no batido.


Perdoe-me a querida (coff coff) Caroca, mas tive que utilizar esta bela imagem que encontrei no Nós Por Cá. É que este é, sem dúvida alguma (e as notícias provam-no!) de uma excessiva dose de coca (e outras misturas) no batido.
Só me poderão chamar gym addicted quando eu apresentar uma figura tão maravilhosa como a da Amy Winehouse. O que, obviamente, nunca acontecerá, até porque eu me mantenho longe das substâncias ilegais (as pesadotas, vá.). So, shut up! :)

Equipa Gordinhos.

De 15 em 15 dias o Búfalo aconselha-me o que comer. Geralmente são conselhos muito pobrezinhos, acho que ele não percebe lá muito daquilo... Insiste que o melhor do mundo é couve-coração cortada aos bocadinhos e temperada com azeite e vinagre e que, para variar, podia comer salada russa de vez em quando. E eu odeio maionese.
Mas há uns dias o Búfalo estava mais contente (e mais inchado) que o habitual.

- Olha Joaninha, estou aí num projecto muito bom. É um grupo que vai funcionar por equipas, numa espécie de motivação colectiva, 'tás a ver?... Há reuniões e depois pesamos toda a gente e havendo duas equipas depois vê-se qual é a equipa que está em melhor forma e qual é a pessoa que tem cumprido o plano alimentar e atingido melhor os seus objectivos. São 20 pessoas por equipa e eu gostava de te pôr numa. Queres entrar?

Of course I'm in, Búfalo. A sério, como podia recusar? Sempre quis fazer parte de um grupo de gordinhos :)

Lá desci as escadinhas toda contente, levando comigo o meu inseparável Rabinho Gordo. Restart your life, dizia na porta. Sim, sim, quero fazer desta cave o meu novo birthplace!
... Era a Gordinha mais nova do grupo, só partilhando a minha magnífica juventude com um Gordinho-reformado de 19 anos que há dois anos pesava 106kilos. Fiquei contente. De resto, a maior parte era só gente entre os 30 e os 55, uma das senhoras realmente onfire por poder ter algo parecido com uma vida social as 4ªfeiras à noite. Fiquei contente por ela. Dar-lhe-ei o nome de Senhora Esquisita.
O Búfalo fez a sua intervenção dizendo que pesava 90kg, que tinha 23 anos e que treinava 5 dias por semana. Estive tentada a levantar-me e a ir tentar aproximar-lhe os braços do tronco, mas achei que o ia magoar e toda a gente sabe que não se faz mal aos animais.
Depois mandou-nos fechar os olhos e pensar que tinhamos ido para o Céu e que encontrávamos o nosso ser-morto lá em cima. Esbelto, lindo, rijo, magro.

- ... aquilo que vocês poderiam ter sido... Imaginem como seria morreram e saberem que podiam ter sido assim mas que tinham preferido agarrar-se ao negativo. O que é que isso provocaria em vocês? Com certeza haviam de querer voltar atrás...
Sim, Búfalo, tens razão. Aquela ideia de pensar que a vida é para ser vivida em felicidade não faz sentido nenhum. Prefiro ser magra a ser feliz.
Nisto a Senhora Esquisita não conseguiu conter-se.
- Oh! Eu nunca vou ser magra! E nem vou ser bonita! Por isso...
Sim, então pode sair, Senhora Esquisita, não queremos aqui gente que não cumpre objectivos!
Até porque não ser bonito/magro estraga a pontuação da equipa. E eu não quero chegar ao Céu e perceber que a culpa de passar o resto da Eternidade sendo gorda é totalmente sua por não ter estado empenhada na Equipa Gordinhos.

EQUIPA GORDINHOS, ALLÉ.

no ginásio..

Pipis peludos alheios? Por favor, não.

quinta-feira, 8 de maio de 2008

Reciprocidade.

Li algures que as pessoas dão aos outros aquilo de que mais precisam. Fez-me pensar. Pensar que quando damos a nossa amizade mais completa a alguém, é como pedir a essa pessoa que também nos dê a sua, é pedir-lhe que tenha cuidado, que nos trate bem, que fale, que oiça, que procure, que não nos engane, que confie e seja de confiança, que faça toda essa entrega valer a pena. Pedimos reciprocidade. Fez-me pensar que em tempos te estendi a minha mão e te dei a minha amizade. Era o meu presente. Mas é como um daqueles presentes que temos que transportar com cuidado, porque são frágeis e se podem partir. Mas trataste-o descuidadamente. Abanaste-o, atiraste-o ao ar, deixaste-o cair. E não colaste os pedacinhos que sobraram, abandonaste-os com indiferença no meio do chão, tal como estavam. E as minhas mãos continuaram vazias, presenteaste-me com a ausência.
Perdi muito tempo a colar os pedacinhos de novo. Mas guardei-os para mim. Agora apercebo-me que já não há mais nada que te queira dar. Porque também já não há nada que te queira pedir.

(uma pseudo-continuação do post "Qui" da J.)

terça-feira, 6 de maio de 2008

vamos então para o campeonato das IST's (porque pelos vistos agora são infecções e não doenças).

O Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa realizou um inquérito sobre os comportamentos sexuais em Portugal. Basicamente foram mais de 3500 entrevistas em Portugal Continental que abrangiam homens e mulheres entre os 18 e os 65 anos. Ora bem, a conclusão foi realmente muito triste, dada a época em que vivemos, uma época em que a comunicação é facilitada por telemóveis e internet, em que muitos já têm acesso à educação, em que as pessoas já se consideram mais instruídas, mais democráticas e afastadas dos países onde reina a exploração, a miséria, a fome, a guerra, etc. Seria de esperar, então, que num país europeu como o nosso, tranquilo, plantadinho à beira-mar, as pessoas metessem menos droga na comida e usassem a cabecinha para pensar.
Isto porque a conclusão que se tirou deste inquérito foi que os portugueses continuam ainda a ser demasiado conservadores (muita fachada, ainda por cima), homofóbicos, presos a conceitos religiosos demasiado antiquados e sem bases razoáveis de sustentação (mais uma vez, o manter a fachada impera) e pouco abertos a procurar conhecimento sobre como se transmitem as doenças e como as evitar.
Para começar, mais de metade dos portugueses (59,29%) não usou preservativo na primeira relação sexual com o parceiro mais recente. Ou seja, não se conheciam de lado nenhum, mas vamos lá embora ver se arranjamos uma doençazinha porque o amor é lindo. Não há nada que una mais um casal que uma boa dose de sifílis.
Mais? Só 9,4% dos homens entre os 16 e os 49 anos utilizou preservativo no último ano em relações sexuais com mais de um parceiro. E só 2,6% das mulheres utilizou este método contraceptivo. Com este tipo de comportamento seria também razoável que se fizesse o teste ao vírus do HIV. Mas parece que não há muitos interessados, visto que a percentagem tanto de homens como de mulheres que já fizeram o teste não passa dos 13%. Melhor ainda, apenas uma minoria de homens (11,3%) e de mulheres (12%) pedem a cada novo parceiro que faça um teste de VIH/SIDA e menos de metade dos portugueses faz perguntas aos companheiros/as sobre a sua vida sexual passada. Sim, não nos vamos pôr a falar do passado quando temos um brilhante futuro pela frente.
Dos entrevistados 46,5% dos homens dizem ter "algum/pouco" receio de poder vir a contrair uma infecção ou uma doença transmitida através das relações sexuais e 37% diz mesmo não ter "nenhum" medo. Por outro lado, 43,6% das mulheres afirma ter "algum/pouco" receio, enquanto 39% confessa não ter "nenhum". Também 76% dos homens e 69,2% das mulheres não conhecem pessoalmente alguém infectado com o VIH ou que tenha morrido com SIDA. Parece que se esquece que muitas vezes é no melhor pano que cai a nódoa.
Os factos mais engraçados são: 39,3% dos homens recusa ter relações sexuais ocasionais ou passageiras contra 62,5% das mulheres (devemos ter em conta a variável dos mentirosos/as?). E, segundo a amostra, 53,8% dos homens considera "totalmente errado" relações sexuais entre duas mulheres adultas, opinião idêntica têm 40% das mulheres (então e os filmes porno?).

Acho que é urgente que se mudem as mentalidades. É urgente que se aprenda a juntar a responsabilidade ao prazer. É urgente que se eduque, que se alerte, que se esclareça. Não é só a SIDA, é todo um conjunto de doenças, infecções e problemas que nos podem atingir se não tomarmos as devidas precauções, formos ao médico, fizermos análises, procurarmos informação. É preciso pensar. Será que vale a pena arriscar? Será que só acontece aos outros?
Este inquérito, para mim, evidenciou o ridículo do ainda modo de pensar português.
É tudo.

sexta-feira, 2 de maio de 2008

Trendy diz (23:19):
agradeço que pares de falar comigo dessa forma querida
Trendy diz (23:19):
que eu prefiro quando me dás uns grandes açoites no rabinho
Catie diz (23:19):
desde que nao me toques, tudo bem.

Let your girlfriend do what your boyfriend can't.

Socorro.


Não consigo tirar a música do Ruca da minha cabeça.

terça-feira, 29 de abril de 2008

Ms New returns.

Final da aula de Body Attack. Afogada no meu próprio suor, dirijo-me aos balneários para ir buscar a toalha, champô, e ir tomar banho. Alguém conversa alto e animadamente ao telemóvel ao meu lado, mas nem olho, de tão cansada que estou. Só quero tomar banho e ir para casa. A voz aproxima-se mais do cacifo ao lado do meu. Aproxima-se tanto que choca com a porta do próprio cacifo, empurrando-a violentamente em direcção à minha testa. E pumba, acertou em cheio. Reprimi um "foda-se!", algo pouco usual em mim.
"Ah, desculpa, não sei o que se passa comigo hoje.", diz ela. Agora é que reparo que a voz me é estranhamente familiar. E ponho-me à espreita, tentando ser discreta, tentando vislumbrar algo mais no pescoço meio escondido pelo rabo de cavalo. E lá está ela. Mais uma vez, ela. A tatuagem New. A mesma desastrada de sempre. Por sorte não me roubou toalha com suor nenhuma, até porque acho que essa sorte fica sempre reservada para a J., mas deu-me com a porta do cacifo na testa, o que também foi bastante agradável. Não disse nada e deixei-a lá entretida enrolada na sua toalha de banho rosa-choque. Prémio para a mais distraída? Não, que ideia.

Dito isto, só uma conclusão poderá sair daqui: Manel, encontrámos a mulher perfeita para ti.

segunda-feira, 28 de abril de 2008

Qui

Amigos são os que nos telefonam, os que nos gritam, os que nos apertam a mão, os que riem connosco, os que ficam contentes pelas nossas vitórias. São os que nos fazem cara má, os que nos abraçam, os que sabem reconhecer o nosso silêncio mas que anseiam pelo nosso ruído. Amigos são os que não têm razões para nos relembrar que gostam de nós, são os que não esperam nada e dão tudo.
Amigos são os que não cobram, os que apertam o nosso coração nas mãos quando nos esquecemos de o respeitar. São os que nos guardam dentro da carteira, na parede do quarto, na moldura ao lado da cama. São os que conhecem a nossa família, o nosso cão, a nossa vida; sem perguntar. Que se sentam à nossa mesa e que não são novidade.
Amigos são os que se preocupam tanto que se sentem, também eles, perdidos de frustração por não poder ajudar.
São os que estão sempre por ali naturalmente. Que quando não estão, quando não dizem nada, fazem falta.
Fala comigo, acorda, responde-me.

Tenho saudades tuas.

quarta-feira, 23 de abril de 2008

Reguinho.

Calma aí que eu também tenho a minha própria perseguição de estimação no ginásio! Aqui para os meus lados não há roubos de toalhas, mas sim roubos de concentração. E porquê? Porque há um senhor, muito alto, muito largo, que insiste em ficar à minha frente. E até aí tudo bem, não tenho sede de protagonismo. O problema aqui é que o senhor usa uns calções que aparentemente já fizeram o funeral aos elásticos. E então, no meio de saltinhos e agachamentos, acabam por deslizar alegremente pela sua cintura. E o que é que acontece? Lá está. Tenho que levar com a imagem de um reguinho peludo e escuro durante a aula toda. Quando os exercícios incluem baixar o tronco, é perturbador. E ao tentar desviar os olhos da imagem maldita, acabo por me perder nas coreografias.

Devíamos tentar juntar a senhora New com o senhor Rego num santo matrimónio e mandá-los de lua-de-mel para o Perú.

terça-feira, 22 de abril de 2008

"New"

Aula de Total Condicionamento

Status: com dores inexplicáveis na nádega direita mas convicta de que os 3kg a mais de caneleiras não significavam nada para mim.
Vontade de gritar: 3
Vergonha na cara: 5
Pensamento dormente: "Esta pinga de suor está a entrar-me para o olho"
Pensamento latente: "Deixa-me cá ir buscar a toalha..."
Varrimento visual do "espaço de trabalho": pesos amarelos, alteres laranja... ONDÉ QUE ESTÁ A TOALHA?!

Algo que me chama a atenção... Uma tatuagem na nuca da minha colega do lado que diz New. E, mais abaixo, atirada por debaixo de um cotovelo mal cheiroso, A MINHA TOALHA. Sei que é a minha porque tive o bom gosto de a encher de base.
Mas quem é esta personagem que se alambuza com a minha toalha cheia de maquilhagem e suor do MEU corpo?... Ora pois...é mesma personagem idiota que deu início a este blog quando me enfureceu por ter feito exactamente a mesma brincadeira.

A sério. É que eu sei que cheiro bem e sou incrivelmente elegante e inteligente e que toda a gente quer ser como eu. Mas, neste caso, questiono-me: será que o meu suor é assim tão saboroso?

domingo, 20 de abril de 2008

s-c-a-r-y-!

Acho que gostava mais dele quando andava por aí a dizer que via pessoas mortas..

numa roda viva.

Este fim de semana experimentei a alegria vinte e quatro sobre vinte e quatro horas do que é ser monitor de colónias. Aprendi cançõezinhas, bati palmas, gritei em coro, aprendi a fazer joguinhos, joguei joguinhos, falei, andei, falei, andei, falei. Como tal, estou profundamente cansada e preciso repôr o meu nível de alegria (ou "xitéx") novamente no estado normal.
Preciso dormir.
(Mas foi giro!)

quinta-feira, 17 de abril de 2008

Indo contra a afirmação do rapaz-cujo-nome-não-vamos-pronunciar, os namoros não são "cenas maradas", são "cenas" que precisam de cuidado e, sobretudo, de uma boa dose de comunicação e disponibilidade. Quando não se comunica e a disponibilidade acaba, acaba o namoro com elas. Não há nada de marado em termos sido descuidados, despreocupados, distraídos, e perdermos algo. Eu às vezes também me penteio e deito a escova do cabelo para a sanita, quando ando distraída e com a cabeça noutro lugar. Mas não é marado, não há nada de sobrenatural nem estava escrito nas estrelas que a escova tinha que cair na sanita, eu é que fui estúpida em não estar concentrada naquilo que a escova esperaria de mim, que era voltar para a gaveta.
Cena marada, essa sim, foi o jogo Sporting - Benfica de ontem à noite. Bem, bem, bem marada. E eu gostei. Muito.
"Sabes, Charlotte, eu bem te disse que esta coisa dos namoros são cenas maradas."

Eu não tenho comentários a fazer.

quarta-feira, 16 de abril de 2008

Homens.

Acho que este blog devia ser interdito aos homens. Porque tenho muitas alarvidades para dizer e os meus amigos continuam a achar que sou a Joana Mãe e que não posso (ou que não sou capaz de) dizer alarvidades maiores ainda do que as que nós - as miúdas - temos vindo a ouvir sair da boca deles nos últimos anos.
Por isso, aproveito para frisar: eu gosto de homens. Daqueles homens agradáveis à vista que não me chateiam. Sou profundamente fútil; e gosto.

Obrigada.

Amarelo?

Entra uma senhora no autocarro 21 que segue em direcção a Alvalade. Uma senhora que não sabe para que serve nem como se utiliza o bilhete novo. O motorista do autocarro que, tal como todos, se demonstra pouco dotado de simpatia (e me faz lembrar que em Barcelona eles dizem bom dia a todas as pessoas que entram), consegue dar uma explicação rápida e forçada de como passar o cartão. E diz-lhe: "Agora veja se fica verde." A senhora passa o cartão, a máquinazinha apita e eu, sem ver a cor, reconheço pelo som que deu luz verde. Mas a senhora continua a passar mais vezes, e aquilo continua a apitar afirmativamente. O já muito mal-humorado motorista da Carris pergunta-lhe: "Então mas isso não ficou já verde, minha senhora?" Ao que ela responde "não, está a dar amarelo." O motorista nem respondeu perante esta afirmação.
Ora, portanto, pensando na lógica do semáforo, o que significaria uma luz amarela numa máquina de bilhetes de um autocarro? Só metade do corpo pode viajar dentro do autocarro? Podemos entrar mas não nos podemos sentar? Podemos entrar mas não podemos interagir com os outros passageiros? E foi assim que a minha mente pouco ocupada se entreteve durante o resto da viagem.

Horas mortas.

São 9h50. Estou de olhos meio abertos. Desconfio que vou ficar com eles assim durante uma boa parte do dia (excepto na altura do Sporting - Benfica). Pior ainda, a juntar ao meu estado de dormência, descubro que os meus habituais colegas da aula de Atelier de Jornalismo Radiofónico (a J. e o M.) decidiram baldar-se. E eu que tinha pensado fazer o mesmo quando o despertador tocou hoje de manhã! Devia ter respeitado o feeling matinal.

E, dadas as mensagens histéricas que tenho recebido, devo esclarecer que, apesar de ter surgido no ginásio, não é um blog dedicado ao ginásio. Tenham santa paciência que ainda não cheguei a esse ponto! E a J. Miss-Eu-Não-Perco-A-Calma também não, claro. Ok? Ok.
Beijinho.

terça-feira, 15 de abril de 2008

cucu


Ond'é que estás?

ESTOU AQUI!

Era uma vez no ginásio

E tudo começou no ginásio (claro, dizem vocês, onde mais poderia ser?). De uma agressiva aula de grupo onde se "roubam" toalhas cheias de suor alheio, surge uma conversa banal com a "inimiga distraída". Fala-se então do tempo de frequência naquele estabelecimento, da aula, do quão puxada foi, que deve ser culpa do professor e, inevitavelmente, surge a coca no batido (palmas palmas para a J.). O ginásio é de facto o meu espaço da futilidade, da banalidade, da conversa idiota e do comportamento destravado. É também o espaço onde há muita coisa que valia a pena ser filmada/gravada, especialmente os diálogos nos duches. Priceless!
E um avé ao mestre W, porque sem ele nada seria possível, inclusive uns bons glúteos.